Encontre aqui seu Software

Busca simples


Busca Avançada

Cobertura AWS Summit 2019

Postado por Redação em 05/07/2019 em Direto da Redação

Evento realizado em São Paulo, reuniu um total de 8.500 participantes 

A Amazon realizou no último dia 27 de junho a oitava edição do AWS Summit 2019.

O evento que aconteceu no Expo Transamérica, em São Paulo, reuniu um total de 8.500 participantes, que puderam acompanhar as sessões sobre cases de sucesso e aplicabilidade das soluções em Cloud da Amazon.

A abertura do evento foi promovida pelo Vice-Presidente de Vendas para a América Latina, Greg Pearsons. Ele reforçou a importância local para o sucesso dos negócios da AWS e afirmou que a região tem um papel “pivotante” em relação a nuvem, com destaque especial para o Brasil, que atualmente possui grandes companhias e marcas que vem movendo suas operações para a Cloud. O executivo também destacou o papel positivo que vem sendo desempenhado pela fintech brasileira Nubank, que atualmente integra a lista dos dez maiores bancos digitais do mundo.

Um outro assunto recorrente, durante sua apresentação, foi a temática relacionada a transformação digital. A pauta esteve presente ao longo de todo o evento, durante as apresentações de cases de sucesso e entre os participantes e patrocinadores distribuídos pelo espaço. De acordo com Cleber Morais, Country Manager da AWS no Brasil, o país já é visto como um importante setor estratégico para o avanço da inovação e da aplicação de novas soluções nos negócios. Ele pontuou ainda a importância de Curitiba, Minas Gerais e Recife, que atualmente, são caracterizados como polos de inovação no país.

Visão global

CTO AWS

Ainda falando sobre a questão referente ao polo de iniciativas para o setor de TI no Brasil e no mundo, Werner Vogels, Vice-Presidente e CTO da Amazon, declarou que, de acordo com seu ponto de vista, a iniciativa pública e privada deveria investir mais na formação de profissionais para atuar nas áreas de tecnologia como um todo. Pois é cada vez mais importante formar de maneira “consciente” esses profissionais que irão exercer cargos e direcionar os caminhos do setor mundialmente, nos próximos anos. Durante coletiva, concedida a imprensa, o CTO também declarou que não vê vantagens relacionadas ao cenário multicloud, que em relação ao Brasil, parece ser a aposta de muitas empresas. 

Werner declarou que a maior parte de seus clientes chega a considerar a adoção multicloud, mas no final das contas, acaba trabalhando somente com AWS. Ele apontou que um dos motivos, que justificam essas ações, está atrelado ao fato de que o custo de engenharia é muito alto.

"Clientes que utilizam múltiplas nuvens precisam basicamente duplicar todos os seus recursos de engenharia. Ao utilizar as mesmas aplicações em diferentes nuvens, você utiliza a nuvem como um data center, o que significa que você sai perdendo. Você perde capacidades de segurança, IoT e outros recursos.”, concluiu o CTO.

AWS EdStart e o Brasil

A AWS também aproveitou o evento para anunciar que o programa AWS EdStart irá começar a atuar no país. Paulo Cunha, country manager para o setor público da AWS no Brasil, contou que o objetivo principal do AWS EdStart é promover a aceleração de startups que atuam com foco no desenvolvimento de tecnologias voltadas para o setor educacional. Na prática, a AWS fornece acesso a nuvem para os projetos selecionados. Segundo a companhia, atualmente o valor investido em créditos para as instituições que integram a lista do EdStart globalmente já atingiu US$ 2 milhões.

Os patrocinadores

De modo geral, entre as apresentações de cases de sucesso e as conversas com os visitantes que saiam de um stand para o outro, as empresas que estavam patrocinando a edição de 2019 demonstraram grande satisfação, principalmente em poder compartilhar e adquirir novas informações, parceiros e possíveis clientes.

Carlos Eduardo Alves, Head de Marketing da Claranet Brasil falou sobre a importância de participar de um evento com teor global, como é o caso do AWS Summit. Ele demostrou satisfação em poder demonstrar ao público dois cases de sucesso relacionados a seus clientes: a Embraer, que apresentou um projeto de Big Data e o Banco Fibra, que após passar por um processo de migração full, se tornou o primeiro banco tradicional, “old school” 100% na nuvem.

“É importante conversar com esse público e trocar informação. Pelo nosso stand passaram muitas pessoas que atuam na área técnica. A gente também trouxe metade do nosso time de arquitetos, especialistas e nesse dia desenhamos e compartilhamos projetos de arquitetura e muito conhecimento.", declarou Carlos Eduardo.

Rafael Venâncio, Diretor de Canais da F5 Networks, trouxe para a edição 2019, os frutos da recente aquisição da companhia, a Next Engineering, que foi concluída no mês passado. A empresa também aproveitou a oportunidade para apresentar sua nova solução “avançada de faro de aplicação”.

“A expectativa é conseguir se posicionar, cada vez mais, como líder no mundo cloud. Já somos considerados líderes em segurança, aplicação, performance de aplicação no mundo de datacenter, e em nuvem privada. Agora o nosso foco está em se posicionar, dessa mesma maneira, como líder no mundo de cloud pública.”, complementou Rafael.

Fábio Braz, VP de Vendas da Mandic Cloud Solutions, falou sobre as expectativas da companhia em fomentar e prospectar novos clientes. O executivo salientou que, atualmente, o posicionamento da empresa tem se voltado mais para os setores de devops e dados, deixando claro a vontade da companhia em deixar para traz o antigo histórico de ser considerada uma empresa que lida apenas com o gerenciamento de e-mails e infraestrutura.

“Esse ano a gente está com um foco na parte de dados em AWS. A companhia tem o padrão e a formatação de um produto, para dessa maneira, conseguir trazer a informação desconexa do nosso cliente e converter para algo que tem uma convergência enorme, proporcionando muito mais negócio para o nosso cliente com o suporte da AWS.”, concluiu Fábio.

Ricardo Brandão, CEO da Sky.One, contou ao Portal ERP sobre suas expectativas em divulgar, para seus clientes e parceiros, toda a gama de serviços que vem sendo desenvolvidos pela empresa nos últimos tempos. Atualmente a companhia conta com 300 parceiros, espalhados pelo Brasil, que auxiliam a empresa a comportar as demandas de atendimento para seus 6 mil clientes. O CEO acrescentou ainda que, além de apresentar seus serviços, a Sky.One também espera prospectar novos clientes para o mercado de Cloud. 

“A gente traz aqui para o evento da AWS todo o conceito relacionado ao ERP pós-moderno, que passa pela plataforma Auto.Sky tratando sobre como migrar os ERPs para a nuvem e como integrá-la com as aplicações nativas na web através de um conceito de iPaas.”, apontou Ricardo.

Alexandre Gliga, Diretor Geral da Locaweb, demonstrou grandes expectativas com relação ao número de participantes no evento. Por conta disso, a companhia espera que além de conseguir apresentar todo o seu portfólio também consiga gerar mais oportunidades para a empresa em relação a novos clientes e parceiros. Ele contou ao Portal sobre o lançamento do novo serviço da companhia, chamado BOC (Business operation center), uma oferta que avalia o monitoramento do negócio.

“Hoje a gente tem uma vertical forte voltada para a área de segurança, oferecendo serviços de segurança na nuvem. Também estamos investindo na vertical financeira. E o último serviço que a gente acabou de lançar, é o BOC (Business Operation Center), uma ferramenta de monitoramento focada em negócio. Então a gente entende, senta-se com o cliente, avalia quais são os indicadores de negócios dele e correlaciona isso com os indicadores de infraestrutura e aplicação, e com isso a gente consegue prever os problemas antes deles acontecerem e começar a solucioná-los mais rapidamente.”, esclareceu o executivo.

Bruno Lobo, responsável pela América Latina na Commvault, celebrou a primeira participação da empresa, em um evento do Brasil. Ele reforçou que a parceria entre a Commvault e a AWS já data de mais de 5 anos e companhia é presença cativa nos demais eventos globais realizados pela Amazon. Bruno salientou a vontade de fazer com que o público do evento conheça as características e produtos da companhia, para ajudar essas instituições a lidar de maneira mais eficiente com os desafios profissionais.

“Somos parceiros globais da AWS há mais de 5 anos, e estamos trazendo aqui uma forma de conectar a AWS com outras nuvens e conectar aplicações tradicionais com a AWS. Essa é a facilidade que a Commvault traz para o cliente da AWS nessa edição do Summit 2019 Brasil.”, informou Bruno.

Flávio Dias, CTO e Co-Founder da Darede Serviços de TI, declarou que por conta de sua participação no ano passado, para esse ano, as expectativas estavam maiores. Segundo ele, a parceria com a AWS alavancou os negócios da empresa e gerou a captação de novos clientes para a companhia.

“A nossa solução oferece um conjunto de regras de boas práticas da AWS e estamos ofertando rodar esse conjunto, de boas práticas, no ambiente do cliente para poder levantar pontos de melhorias, redução de custos, melhor performance, mais disponibilidade esse tipo de coisa. “, esclareceu Flávio.

Para André Palma, Head de Marketing e Sales da Atlassian, a participação em um evento como a AWS ajuda a empresa a posicionar seus produtos, de forma mais contundente, na nuvem. Ele ressaltou que além de buscar novos clientes, a companhia está trazendo uma série de novas funcionalidades para os clientes que utilizam a Atlassian na nuvem.

“Essa é a segunda vez que patrocinamos o evento e acho que a ideia é entender e acompanhar, com os nossos clientes ou com o público que conversa conosco, quais são suas necessidades, quando a gente fala em solução na nuvem. Acho que o pessoal entende muito desse assunto aqui. Acredito que no ano passado tivemos um foco muito grande em devops e acho que agora o pessoal já está falando de algumas coisas diferentes e a nossa ideia é poder escutá-los e entregar soluções cada vezes melhores na nuvem.”, pontuou André.

Anderson Gaspar, Diretor executivo de vendas, marketing e parcerias da TIVIT relembrou que a parceria com a AWS, iniciada em 2014, trouxe diversos frutos e conseguiu ampliar a margem de evoluções da empresa. Ele informou que, recentemente, a companhia adquiriu a certificação de advanced technology partner, fato que deve ajudar a TIVIT a expandir seu destaque no mercado.

“O que estamos trazendo para esse evento são as experiências de clientes que já passaram pelo processo de transformação digital. Exemplo: Case Yara fertilizantes, que migrou boa parte da sua infraestrutura para Cloud da AWS, com o suporte apoio da TIVIT. E é esse tipo de experiência que a gente está trazendo para esse evento esse ano.”, comentou Anderson.

Para Marcos Oliveira, Country Manager da Palo Alto Networks Brasil, a companhia recentemente, apresentou sua solução Prisma, que traz seus produtos de segurança em nuvem, em um único conjunto, com o objetivo de ajudar os clientes em sua jornada na nuvem. Além disso, a Palo Alto Networks também anunciou a intenção de adquirir a Twistlock, líder em segurança de contêineres, e a PureSec, líder em segurança sem servidores, para fortalecer sua estratégia de segurança em nuvem e posição de liderança do Prisma.

“É ótimo estar no AWS Summit, onde temos um relacionamento profundo e produtivo com a AWS. É uma oportunidade de se conectar com os principais interessados no setor de TI e trocar idéias sobre o mercado em constante evolução. Além disso, encontramos muitos alunos e novas pessoas nesses tipos de eventos, o que demonstra o interesse da nova geração em um mercado sem profissionais de TI especializados.”, declarou Marcos.

Renato Hirata, diretor de vendas da Cloudflare no Brasil, informou ao Portal que por ser segunda vez que a empresa participa do evento, em São Paulo, as expectativas são altas, já que seus clientes são ou estão atravessando um processo de migração para Cloud e por decorrência irão precisar dos serviços que a empresa tem a oferecer, em relação a proteção e a performance na internet. A companhia trabalha com uma ferramenta de identificação de tráfego de informação na internet, que lhes permite identificar potenciais bots malignos e benignos para os sites de seus clientes.

“Por exemplo: temos clientes de e-commerce e as vezes vem um ataque desses para encher o carrinho e zerar o estoque desse cliente e prejudicar o negócio dele. Então esse é um exemplo de bots malignos que a gente tenta evitar. Nós estamos entre o bem o mal e tentamos definir o que é bom e o que é ruim para esse cliente e evitar esse tipo de ataque.”, esclareceu Renato.

Postado por Redação em 05/07/2019 em Direto da Redação