Encontre aqui seu Software

Busca simples


Busca Avançada

Jornal Argentino impulsiona transformação digital com uso de BI

Postado por Redação em 06/12/2019 em Mercado

Clarín adotou o HyperIntelligence da MicroStrategy para aprimorar a gestão de informações

Clarín adotou o HyperIntelligence da MicroStrategy para aprimorar a gestão de informações

O Clarín, um dos mais influentes e tradicionais jornais em circulação da Argentina, anunciou que introduziu no dia a dia de seus colaboradores uma nova tecnologia, com o intuito de otimizar a gestão do trabalho.

Com essa iniciativa, a empresa do setor midiático, se tornou a primeira na América Latina a implementar o HyperIntelligence, um recurso recém lançado da MicroStrategy, que foi projetado para levar informações estratégicas com mais facilidade diretamente a quem a necessita, sem nenhum clique, impulsionando a transformação digital.

Faça como mais de 56 mil profissionais e assine a nossa newsletter!

Com uma trajetória de 73 anos, o veículo mantém a liderança jornalística e comercial no mercado argentino e faz parte do top 3 de língua espanhola. No Clarín, o objetivo sempre foi aproximar as informações gerenciais e analíticas das plataformas de uso natural dos usuários. No caso específico da redação, são mais de 400 jornalistas que precisam ter acesso aos indicadores da performance de seus conteúdos em tempo real. 

O início do projeto 

Em 2017, o periódico passou por um grande processo de transformação digital e criou uma sala de redação multiplataforma, que funciona simultaneamente para as diferentes versões do jornal, como impresso, digital e em dispositivos móveis. A incorporação do Business Intelligence (BI) e Analytcs aconteceu no início de 2015, quando a empresa tomou a decisão de construir um departamento de Big Data e Analytics para fornecer serviços de dados para todas as áreas.

“Desde então nunca deixamos de crescer  e incorporar novas funcionalidades, sempre de forma inovadora e com foco na geração de valor, tanto do ponto de vista monetário (maior receita, menores custos e etc.), como de tomada de decisão, que tem se tornado cada dia mais inteligentes e rápidas”, ressaltou Pablo Giudici, líder de Big Data e Analytics do Clarín.

Segundo o executivo, a razão para adotar o HyperIntelligence e em particular os Hypercards é fruto do desejo do veículo, de aproximar ainda mais os dados dos usuários e superar a barreira natural, que existe em organizações que possuem uma história e um peso cultural fortes, na qual as pessoas tendem a ser mais conservadoras e acham difícil ir buscar informações em outras plataformas.

Segundo o jornal, a plataforma da MicroStrategy teve impacto em todos os níveis da empresa, desde os diretores que usam iPads, passando por gerentes e jornalistas que usam Hypercards, quadros de bibliotecas, relatórios e dispositivos móveis, até os níveis operacionais de administração, call center e vendas usando Hypercards, relatórios e APIs Microstrategy para integrar dados ao front-end. Isso é especialmente útil para o Clarín, devido ao grande número de usuários que requerem acesso à informação.

Aprimoramentos para o futuro...

Atualmente, o uso do HyperIntelligence continua ajudando o jornal Clarín a impulsionar a sua jornada rumo à transformação digital. Por isso, a ideia é ampliar ainda mais a disponibilidade de informação. Inclusive, o time de Analytics da empresa esteve pessoalmente no Headquarter da MicroStrategy para ver na prática e compreender as diferentes possibilidades de uso da tecnologia, o que fez toda a diferença nesse processo.

Em um futuro próximo, os Hypercards serão utilizados ?para integrar dados com outras fontes, como Salesforce, SAP, Assinaturas, permitindo contar com informação em tempo real e integrada a partir de diversas fontes.

A possibilidade de um projeto piloto com o Hypervoice tanto para uso da diretoria como em reuniões de comitê, já está nos planos. Além disso, o Clarín também pretende adotar o MicroStrategy Badge, que é um app que substitui crachás físicos de identificação, senhas, chaves e tokens de segurança, por crachás digitais seguros e disponibilizados por meio do smartphone de um usuário.

A ideia é detectar os usuários e mostrar suas métricas todas às vezes que eles se aproximarem das televisões espalhadas por toda a empresa. O objetivo do veículo, é conseguir transformar a maneira como executam as funções e impulsionar as decisões orientadas a dados.

 

Postado por Redação em 06/12/2019 em Mercado