filtros avançados

Busca simples


Busca Avançada

O que estou perdendo ao parametrizar regras fiscais manualmente nos ERPs?

Postado por Giuliano K. Gioia - Especialista fiscal da Taxweb em 14/05/2019 em Artigos

A complexidade do ambiente tributário brasileiro parece ser um consenso entre especialistas, empresas e os próprios entes do Governo

Para além da elevada carga de tributos, o país conta com regras fiscais que, em muitos casos, são de difícil interpretação, bastante dinamismo nas mudanças que são perpetradas pela Receita Federal e pelas Secretarias da Fazenda, bem como, uma amplitude de taxas, contribuições, impostos e obrigações acessórias que tornam um tanto árduo o desafio do acompanhamento do cenário tributário brasileiro e do próprio enquadramento das empresas dentro das mudanças que lhes afetam do ponto de vista fiscal.

Apenas para se ter uma ideia, o país conta com quase 70 tributos e cerca de 97 obrigações acessórias segundo o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT). Quando pensamos, por sua vez, na velocidade das mudanças tributárias no Brasil, basta pensarmos que em média 782 normas são editadas por dia em nosso país, segundo o IBPT, o que gera, por sua vez, um custo anual extremamente elevado para as empresas. Considerando o quadro, chegamos ao seguinte questionamento: como superar o desafio de acompanhar as transformações tributárias do país e ainda otimizar o processo de parametrização de uma operação fiscal?

A era da transformação digital e a urgência de se inovar

A realidade de muitas empresas, quando o assunto é parametrização de regras no ERP, é de forte incerteza sobre a eficiência e precisão do método aplicado, considerando o caótico cenário nacional, que pouco facilita o procedimento

Portanto, é quase impossível ter a clareza de que os resultados serão satisfatórios e nenhum problema surgirá. Outro fator que pesa é a quantidade de tempo dedicado a um processo que não necessariamente, nos dias atuais, precisa ser feito à mão. Parando para analisar a transformação digital nas empresas, na prática, fica evidente o contraste entre o passado e o presente. Entre as principais características, podemos identificar que:

Ontem

| Especialistas monitoravam diversas legislações, além de interpretar as leis para entender a existência do impacto no negócio;

| O usuário ERP é o responsável por analisar pontos para alteração de parametrização, com a necessidade de testar inúmeras operações para validação prévia;

| A demanda do tempo era muito maior;

| Visão pontual no momento das alterações legais;

| Recursos e processos distintos para emitir e escriturar notas fiscais;

| Customizações e exceções para regimes especiais/ liminares;

| Equipe para manter cadastros e regras legais a cada modificação legal/ regras de cálculo.

 Hoje

| Especialistas Tributários alimentam a tecnologia a partir da legislação (Amparo Legal, Artigo, Inciso, Regras);

| Tecnologia notifica assertivamente a partir de características concretas sobre produtos e negócios, permitindo que o responsável tenha uma visão do volume de alterações legais que ocorreram e que estão por vir, assim, poderá tomar ações preventivas, vislumbrando possíveis impactos nos negócios da companhia;

| Comunicação direta entre tecnologia e ERP, com regra atualizada e aplicável;

| Proporciona a criação com consulta de distintos cenários para prévia avaliação de cálculo/ tributação, com seu devido enquadramento legal e vigência;

| Comunicação via serviço e automatizada ao ERP com regras legais (via API);

| Visão detalhada diária com monitoramento (Validação das operações x Regras e aplicação a partir de cenários da CIA x Resultados esperados);

| Tecnologia realiza a determinação tributária/validação antes da emissão da NFe, bem como das entradas para escrituração;

| Permite cadastrar regimes especiais e suas regras específicas com vigência legal;

| Oferece ciência e aceite para atualização do motor tributário conectado no ERP com base legal/ regras de cálculo.

Neste mesmo contexto, os líderes tributários devem entender que é seu papel direcionar suas equipes para atividades mais analíticas, ligadas aos objetivos estratégicos da companhia, aumentando assim o valor dos departamentos fiscais para uma organização e deixando a cargo da tecnologia a tarefa de acompanhar, de modo veloz e otimizado, as mudanças fiscais que impactam qualquer negócio no Brasil e a parametrização de tais regras em ERPs.

 A parametrização de regras fiscais estacionou no passado 

Criar regras fiscais, depender de tabelas e parametrizar regras em ERPs são ações do passado que, além de atrasar o processo de transformação digital das empresas, podem gerar impactos importantes, como:

• Morosidade nas atualizações fiscais;

• Erros de parametrização e enquadramento;

• Falhas de interpretação das regras fiscais;

• Autuações;

• Perdas financeiras e relação mais conturbada com o FISCO.

Estar sujeito à uma variedade de problemas fiscais é flertar com o insucesso de uma empresa! A figura humana é sempre uma peça fundamental na organização empresarial, e justamente por isso, não seria aconselhável direcioná-la para tarefas mais frutíferas e estratégicas? Com isso, chegamos à conclusão de que é possível aprimorar os departamentos tributários, sim. E que existe no mercado soluções capazes de evitar a dor de cabeça e facilitar o caminho percorrido neste contexto.

Foto: Giuliano K. Gioia (Especialista fiscal da Taxweb)

Postado por Giuliano K. Gioia - Especialista fiscal da Taxweb em 14/05/2019 em Artigos