Encontre aqui seu Software

Busca simples


Busca Avançada

Internet das Coisas: a nova fronteira da Gestão de Identidade

Postado por

Vicente Goetten

em 01/12/2014 em Artigos

Um estudo da Cisco, apresentado durante o Mobile World Congress de 2014, mostra uma evolução vertiginosa no número de dispositivos...

Um estudo da Cisco, apresentado durante o Mobile World Congress de 2014, mostra uma evolução vertiginosa no número de dispositivos conectados à internet. Em 1984, eram 1 mil. Em 2010, 10 bilhões. Ou seja, já havia mais coisas do que pessoas conectados à rede mundial. Para 2020, a expectativa é ultrapassar a marca de 50 bilhões. O relatório anual Internet Trends, da consultoria KPCB, apresentado em maio, identifica uma tendência de crescimento vertiginoso de dados provenientes de objetos inteligentes circulando no universo digital.

O fenômeno acompanha a evolução da nanotecnologia e de tecnologias para rastreamento, como o RFID. Todo eletrônico lançado nos últimos anos traz algum sensor embarcado. O Internet Trends cita o exemplo dessa evolução em smartphones. Enquanto o iPhone, de 2007, e o Galaxy S, de 2010, continham três sensores, o iPhone 5S, de 2013, conta com cinco sensores e o Galaxy S5, lançado em 2014, com nada menos do que dez, entre eles identificadores de impressões digitais e de batimentos cardíacos.

O desafio de tirar proveito de todo esse volume de dados vem sendo enfrentado com ferramentas de Big Data. De acordo com a KPCB analisamos hoje apenas 1% dos dados que circulam no ambiente digital. Mas como garantir que a conexão desses dispositivos com sistemas de tecnologia corporativa seja feita de forma segura? O advento da Internet das Coisas transforma o jeito de as empresas pensarem a Gestão de Identidade.

Esse conceito está associado a ferramentas que possibilitam o acesso a diferentes sistemas de uma empresa por meio de um único login e senha. A centralização permite identificar a maneira como os usuários navegam pelas informações, além de facilitar a customização dos documentos que podem ser visualizados por cada colaborador. É possível padronizar a liberação aos dados por departamentos e cargos, com a garantia de que cada pessoa terá acesso exatamente ao que é desejável e permitido de acordo com as políticas da companhia. 

Se, há uma década, as corporações concentravam seus esforços em controlar e monitorar o acesso e os dados dos usuários de seus softwares, a nova fronteira da Gestão de Identidade passa a ser lidar com o acesso das coisas ao sistema. A segurança no acesso é uma preocupação que extrapola as pessoas e vale não só para smartphones ? a partir do qual funcionários acessam ferramentas de produtividade e gestão de processos ?, mas para máquinas agrícolas, gruas e guindastes da construção civil, veículos de frota e para qualquer outro objeto que possa abastecer a companhia de dados úteis ao negócio.

Os novos tempos pedem uma nova tecnologia para Gestão de Identidade, uma evolução das ferramentas tradicionais, desenhada para funcionar em um cenário de estrondoso volume de dados e da ilimitada mobilidade oferecida pela Computação em Nuvem. A revolução das coisas está em marcha. E ela chegará com uma velocidade que nem Isaac Asimov poderia prever.

 

* Vicente Goetten é diretor executivo do TOTVS Labs

 

Postado por

Vicente Goetten

em 01/12/2014 em Artigos