Encontre aqui seu Software

Busca simples


Busca Avançada

Aplicando a Análise do Valor Agregado em múltiplos projetos simultâneos e dinâmicos.

Postado por

Valtermir Pereira Junior

em 20/08/2016 em Artigos

Para tanto, criei um novo indicador denominado Índice de Desempenho de Esforço (IDE), que ajusta o custo real ao esforço...

Para tanto, criei um novo indicador denominado Índice de Desempenho de Esforço (IDE), que ajusta o custo real ao esforço real aplicado, comparando-o com o esforço planejado (na distribuição de horas).

Modelo Tradicional

Orçamento No Término (ONT) é o orçamento total aprovado do projeto (baseline).

O Valor Agregado (VA) é obtido pela soma das tarefas realizadas * o custo orçado para tais (também conhecido como COTR ? Custo Orçado do Trabalho Realizado).

VA = % Progresso Realizado * Custo Orçado

O Valor Planejado (VP) é obtido pela soma das tarefas planejadas até o momento do cálculo * o custo orçado para tais (também conhecido como COTA ? Custo Orçado do Trabalho Agendado).

VP = % Progresso Previsto * Custo Orçado

O Custo Real (CR) é obtido pela apuração total do custo aplicado, independente do progresso das tarefas.

Daí teremos as famosas fórmulas da técnica de Análise do Valor Agregado para projetar nosso custo ao final do projeto:

VC = VA ? CR 

Variação de Custo

VPR = VA - VP

Variação de Prazo

IDC = VA / CR

Índice de Desempenho de Custo

IDP = VA / VP

Índice de Desempenho de Prazo

EPT = (ONT - (ONT ? VA)) / IDC

Estimativa Para o Término

ENT = CR + EPT

Estimativa No Término

* Fonte: Livro ?Análise de Valor Agregado ? 5ª Edição? ? Ricardo Vargas.

Modelo Ajustado

Uma vez planejado seu projeto com os critérios bem definidos de progresso físico, é possível determinar um esforço para cada período dentro do ciclo de vida do seu projeto (figura 1).

 Imagem2 artigo VP

 

  ONT continua tendo a mesma função e obtido da mesma forma que o modelo tradicional.

CR continua sendo apurado da mesma maneira, ou seja, o total de custo realizado.

Vamos acrescentar uma nova base: Total de Esforço (TE) que representa o total de horas.

Vamos considerar o VA = ? horas apontadas.

NOTA: Esta informação é normalmente requerida no processo de apuração nas empresas neste cenário e, portanto, deve ser fácil obter.

Vamos ajustar o VP = TE * % Progresso Previsto.

NOTA: De forma similar à nota anterior, as empresas dentro deste cenário normalmente obtêm o custo do projeto através de uma estimativa de esforço baseada no montante de horas.

Utilizando meu novo indicador de desempenho, o IDE (índice de Desempenho de Esforço), teremos a definição se houve maior eficiência / produtividade na execução:

IDE = TE * % Progresso Realizado / VA

 Imagem3 ArtigoVP PortalERP

 

 

Notem que as horas apontadas e os % de progresso físico variam do planejado para o realizado, como normalmente ocorre na prática.

Acrescentando o CR (Custo Real), poderemos definir um Custo Médio sobre o esforço realizado.

Imagem ArtigoVP4 

Desta forma, poderemos adequar o EPT e o ENT utilizando estas informações:

EPT = TE * (1 - % Prog. Real) * (CR / VA) / IDE

ENT = CR + EPT

Os resultados obtidos são idênticos aos do modelo tradicional utilizando apenas as informações que estão disponíveis aos Gerentes de Projeto neste ambiente dinâmico e de difícil disposição de tempo dedicado ao projeto.

IMPORTANTE: Este novo modelo deve ajudar os Gerentes de Projeto em um cenário dinâmico, mas é fundamental ter um baseline e os critérios de % progresso físico bem definidos para ter sucesso na utilização do novo modelo proposto.

Vejam a comparação do modelo tradicional e do modelo ajustado abaixo:

Modelo Tradicional

Artigo ERP VP 005

Modelo Ajustado

 Artigo ERP VP 006

Percebam que os resultados de projeção são totalmente idênticos nos dois modelos!

ATENÇÃO! Uma variação interessante na projeção de custo ao final do projeto é aplicar o IDP em conjunto com o IDC (no modelo tradicional) ou com o IDE (no modelo ajustado), gerando uma estimativa mais realista porque se o projeto estiver atrasado, poderemos ter um custo maior para recuperá-lo.

 

Postado por

Valtermir Pereira Junior

em 20/08/2016 em Artigos